.Bem-vindo a Portugal no seu pior
Portugal não é só um país de maravilhas. Anda por aí muita coisa a precisar de arranjo: nódoas urbanísticas, atentados ao ambiente, estradas perigosas, poluição, espécies ameaçadas, etc. O "Tal&Qual" conta consigo para apontar as aberrações a precisar de acção mais rápida. Neste blog, pode consultar as escolhas de alguns convidados, indicar as suas, comentar, debater e até votar. Ajude-nos a chamar a atenção para o que está mal.
.Aberrações recentes

. Prédio Coutinho

. O Pirilau

. Um mamarracho no meio da ...

. Torre de Santo António - ...

.Arquivos
.tags

. todas as tags

.Outros locais pouco recomendáveis
Website Counter
Quarta-feira, 27 de Junho de 2007
Prédio Coutinho

Este edifício já é o cartão de visita de Viana do Castelo, pelo bem ou pelo mal.

As posições divergem. Há quem queira vê-lo demolido, mas há quem nem sequer queira ouvir falar dessa hipótese. O prédio de 13 andares está situado no centro histórico da cidade e foi construído na segunda metade dos anos 70.

Quando José Sócrates era Ministro do Ambiente do governo de António Guterres considerou o Coutinho um "cancro e um aborto arquitectónico", sendo por isso urgente demoli-lo. Mas  Durão Barroso e Pedro Santana Lopes, nos seus governos, recusaram o derrube por razões financeiras ( a sua implosão seria muito dispendiosa, além de não ter financiamentos comunitários).

Com José Sócrates de volta, agora como primeiro-ministro, a polémica também voltou. O caso está em Tribunal. Os cerca de 300 moradores não querem a demolição, nem acordo nenhum que a implique, têm-se protegido através de providências cautelares e o impasse está criado.

Mas não são apenas os moradores do edifício que o defendem. Críticos também questionam se o Estado deve gastar dinheiro por causa de um choque estético, demolindo uma propriedade privada. Caso o Estado consiga ir avante coloca-se outra questão, também ela financeira: os moradores desalojados terão que ser realojados e, dado que são pessoas de classe média alta e alta, esse realojamento não será para casas de projectos sociais, mas ao nível que eles exigem.

Manter o Coutinho como está representa dor de cabeça às vistas mais sensíveis, demoli-lo dá dor de cabeça a essas mesmas vistas.

Esta pode ser uma aberração que sendo tão fácil eliminar talvez seja preferível manter.

publicado por talequalmente às 18:32
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
O Pirilau

É assim que é conhecido, mas na verdade é um monumento em homenagem ao 25 de Abril.

Nele estão representados um tanque rectangular, um cravo e um totem enorme do qual jorra água. Em relação ao tanque e ao cravo creio que não há quem se oponha, afinal foram essas as armas usadas pelos revolucionários de Abril.

Talvez deva questionar-se o totem. Um objecto que nada tem que ver com a cultura portuguesa, mas que João Cutileiro entendeu que devia estar associado a um dos momentos mais importantes da História do País.

No Parque Eduardo VII desde 1997, o "pirilau" intriga muita gente e fere os olhos a boa parte dos que por ali passam. Uns acanham-se e não são capazes de definir a obra, outros não têm meias medidas, falam mesmo o que a imagem lhes sugere por isso o Monumento ao 25 de Abril há muito perdeu essa designação. Para António Cunha Vaz, por exemplo, é "um desastre de todos os pontos de vista".

Sobre o Totem...

publicado por talequalmente às 14:05
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Junho de 2007
Um mamarracho no meio da rua


Terá aquilo caído nesta pacata rua da Areia, junto a Cascais, numa qualquer noite de tempestade? Terá a aldeia crescido em torno deste feiíssimo monumento, que ali ficou feito quisto incómodo e inamovível? Facto é que a "coisa" lá está, a atrapalhar o trânsito e a marcar o preciso local onde há  quase 71 anos se fez História. Eis como...

20 de Julho de 1936. Um pequeno avião prepara a descolagem do aeródromo de Cascais. O piloto, sabendo que a potência do aparelho é escassa para o peso da carga, acelera o motor ao máximo antes de se lançar à pista. A aeronave ganha altitude mas não a bastante para ultrapassar as copas das árvores que marcam o final da estreita faixa de terra batida: a hélice embate nas ramadas mais elevadas, desgovernando o avião. O piloto, Juan Antonio Ansaldo, tenta uma aterragem de emergência num campo lavrado, junto à aldeia da Areia, mas acaba por embater num muro em pedra. A aeronave incendeia-se. O seu passageiro jaz morto, com o pescoço desfeito.
Tratava-se do General Sanjurjo, figura-chave da sublevação que começara dois dias antes e viria a entronizar, por entre um mar de sangue, Francisco Franco como caudillo de Espanha.
O Marquês do Rif estava exilado no Estoril, castigado pela sua participação no fracassado golpe de Sevilha, em 32. Reconhecido como chefe natural por todos os militares descontentes com a vitória eleitoral da esquerda em 36, Sanjurjo fazia a ponte e limava arestas entre a facção carlista e os falangistas. O voo fatal tinha por destino Burgos, onde o general seria recebido pelas legiões de Franco como líder da revolta. Segundo o relato do piloto, que sobreviveu, o peso excessivo que terá condenado a aeronave deveu-se à mala carregada de uniformes de gala que Sanjurjo tinha por indispensável ao seu desembarque em glória.


 


publicado por talequalmente às 19:59
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 22 de Junho de 2007
Torre de Santo António - Covilhã

Este é um dos edifícios votados para as sete aberrações de Portugal.

A história não deixa de ser curiosa e a escolha parece ter legitimidade, afinal salta à vista o choque entre o prédio em questão e a paisagem à volta.

A torre de Santo António data de meados dos anos 70 e tem cerca de 20 andares. Faz parte de um projecto de habitação do arquitecto Pinto de Sousa, pai do actual primeiro-ministro, José Sócrates. O projecto previa a construção de mais dois prédios do mesmo estilo, com áreas comerciais e estacionamento. A obra não avançou devido a falências e desde então tem-se falado tanto em demolição como em recuperação.

O interessante neste prédio é que do 7º  ao 12º andar os apartamentos estão praticamente acabados, com loiças e janelas nas casas-de-banho, alumínios, vidros duplos, equipamento de videovigilância, elevador com motor (que chegou a funcionar) e chão pavimentado. No último andar estava previsto um restaurante panorâmico com vista para a Cova da Beira.

O projecto de Pinto de Sousa visava incluir mais dois prédios de sete andares que em conjunto com o único construído fariam a forma de um T invertido. Por enquanto a Torre de Sto António mantém-se solitária e inacabada, condição de há 30 anos.

publicado por talequalmente às 14:31
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
.Escolha. Debata. Vote!
.Não fique calado!
Faça perguntas difíceis. Apresente as aberrações que conhece. Discuta e faça sugestões. Disponha sempre do nosso mail: equipatalequal@sapo.pt
.Aberração da semana


"Apeadeiro" do Oriente
.Vídeos sugeridos por leitores


Cristo Rei
.Cidadão-Jornalista

Sónia Caldas é a cidadã jornalista que nos mostra as "escadas improvisadas" de Agualva.

"Viver na Alta de Lisboa" é o nome do blogue bem informado desta seman que diz tudo.

Praia da Rocha
Aeroporto da Ota
Quarteira
.Aberrações mais populares

Av. da Liberdade em Lisboa

Construção desordenada na Costa da Caparica
Quarteira
.Procure aqui a sua aberração preferida
 
.O último "Tal&Qual"


Clique para ampliar